6 coisas para não esquecer ao comprar um carro usado

Há coisas básicas que todo mundo esquece na hora de escolher um carro usado. Por trabalhar no mercado há tantos anos, a empresa Olho no Carro reuniu seis coisas mais esquecidas na hora de comprar um carro usado e transformou em um check-list. Antes de tudo, vale a pena comprar um carro usado?

Comprar um carro usado pode ser uma “fria” se não forem tomados certos cuidados. Porém um veículo usado ainda é o melhor negócio. Tanto para quem quer economizar, quanto para quem busca ter um veículo menos básico a um preço bom. As principais vantagens de um carro usado são:

Pelo mesmo preço de um novo, é possível adquirir um seminovo do mesmo modelo mais equipado: além disso, tanto no momento em que sai da concessionária quanto nos três primeiros anos, o carro novo tem uma média de 20% de desvalorização. Já os seminovos ou usados não se enquadram nessa perda tão considerável do investimento inicial.

Parcelas mais em conta: nos seminovos e usados é possível ainda negociar descontos mais convidativos, em virtude da urgência de venda do proprietário. Além disso, o emplacamento sai mais barato. Nos 0km, este custo pode chegar a R$1.200 de regularização. Já para a transferência de propriedade de um carro usado fica muito mais barata. Atualmente, a média da taxa não chega a R$200.

As 6 coisas para não esquecer na hora de escolher um carro usado

Há sempre aquele conhecido sortudo que consegue achar aquele “elefante branco”, o carro usado de ouro que parece ter acabado de sair da fábrica. A Olho no Carro listou alguns segredos para sair bem-sucedido na compra de um carro de segunda mão.

  1. Baixa quilometragem é um ótimo indício, mas é preciso prestar atenção com fraudes. A compra de um carro usado muito barato precisa ser realizada com mais atenção. Um truque conhecido é alterar a quilometragem do veículo para uma bem menor do que a real. Há alguns sinais que podem denunciar alteração: o estado do acabamento interno (cor dos revestimentos, botões desgastados), marcação no manual das trocas de óleo e revisões, além da idade do veículo.
  2. Outro ponto importante é a análise detalhada da procedência do veículo. Às vezes, pode até não ser má intenção. Pode ser que nem o dono atual do veículo se atentou na hora de comprá-lo, e pode estar revendendo um veículo de leilão por exemplo (se isso acontecer, é um bom argumento para negociar!)
  3. É necessário atenção ao código de chassi. É possível saber a numeração, e se houve alguma alteração no chassi, motor, câmbio e demais itens de fabricação. Sobretudo, essa é a verificação ideal para descobrir a possibilidade do veículo ser clonado ou não. Confira se os números – que constam normalmente no motor e nos vidros – batem com os dados da documentação.
  4. Recomenda-se averiguar se há garantia da montadora. Como muitas montadoras dão garantias estendidas de até três anos ou mais, é possível comprar um carro seminovo ainda respaldado pela garantia de fábrica destinada ao primeiro comprador. Verificar essa possibilidade pode ser o ponto decisivo na escolha de um veículo .
  5. O Test-drive é importante.  A dica é dirigir o veículo, e se atentar aos seus barulhos antes de comprá-lo. Também é de grande valia andar em alguma subida, e lombadas de sua cidade. Os barulhos diferentes, as arrancadas do carro, as respostas dos pedais e do câmbio, se há suspensão segura o carro sem bater ou danificar a parte de baixo da lataria dizem muito sobre o cuidado que o antigo proprietário teve com o veiculo.
  6. O manual do carro é um dos pontos mais esquecidos dos que buscam o carro seminovo. Toda revisão feita na concessionária é marcada no manual, portanto, ter o manual é um tipo de garantia da procedência. O manual do carro poupa tempo de procurar as especificações técnicas na internet, na hora de comprar o óleo correto ou calibrar os pneus por exemplo. Além do mais, ainda são poucas montadoras disponibilizam manual na internet.

Há duas maneiras de descobrir a procedência do carro:

Uma é contratando uma vistoria cautelar. É feita por empresas especializadas, que detectam irregularidades na lataria e parte interna do carro, e também verificam se o veículo já foi batido e de que forma foi feito o reparo.

A segunda – mais barata e complementar à primeira – é fazendo uma consulta completa, que traz todo o histórico do automóvel desejado. Essa consulta traz apontamento de indício de sinistro, histórico de proprietário, leilão, roubo e furto, histórico de KM, aceitação em seguro, número de chassi dentre mais informações. E o preço realmente é mais barato. Este é o serviço que a Olho no Carro oferece.

Para saber mais sobre como saber o histórico de qualquer veiculo utilizando somente a placa acesse o site olhonocarro.com.br

 

Fonte: Dino

maurelio
Author: maurelio

Deixe um comentário